A minha primeira incursão até ao lago Seealpsee

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Após a volta atribulada da última crónica e enquanto aguardava pelo resultado da reparação da minha bicla, tinha planeado efectuar a minha primeira incursão ao Säntis (+/- 2’500 mts).

Sendo assim, toca a investigar trajectos possíveis, alternativas viáveis via Google Earth de forma a delinear um track. Após algumas horas de investigação, constatei que alguns dos caminhos apresentados, não eram ciclaveis devido às diferenças abruptas de altimetria em distâncias pequenas, apenas podendo ser feitos a pé.

Enquanto percorria a área do Säntis, descobri alguns lagos, e há pelo menos 3 que merecem uma visita digna de registo, a saber: Seealpsee (1’141 mts), Fäblensee (1’152 mts) e Sämtisersee (1’209 mts).

Fica aqui a promessa que todos eles serão alvo de uma visita devidamente documentada.

Esta crónica irá pois debruçar-se sobre a minha ascensão ao lago Seealpsee, uma vez que para uma primeira experiência nessa área, e porque ainda rolo em solitário; a prudência conduz-nos a não arriscarmos em demasia, pois nesses locais são muitos os factores que podem ditar a “morte do artista”.

Sem GPS (ainda, e vai continuar assim por muito tempo, não há verba…), lá delineei um roadbook (à boa maneira portuguesa) com as notas, localizações, cruzamentos, etc… que julguei necessários ao empreendimento.

Tendo um bom sentido de orientação no terreno, não julguem que perdi muito tempo com o assunto, mesmo assim e para qualquer eventualidade levei a minha velhinha bússola, não fosse o diabo tecê-las 😊.

Às 08h30 em ponto, um táxi parou junto à minha estância de férias, daí segui já todo equipado para a oficina onde a minha fiel companheira me aguardava (sim, hoje como sempre vou chamar-lhe fiel, desejando que nada lhe aconteça), agora com um novo apêndice; pois tivemos mesmo que substituir a roda traseira na íntegra.

Feitos os necessários testes de forma a verificar se o serviço encomendado tinha sido bem executado, lá arranquei com destino a Appenzell (centro das operações de hoje em diante, sempre que rolar para a área do Säntis); já passava das 09h00 e o dia prometia (muito sol, calor = desidratação).

Pelas 17h00 já estava de regresso à minha estância, tendo percorrido 50 kms; nada mal para uma primeira volta a “sério”. Foi um dia passado em total paz, harmonia, uma comunhão perfeita entre o homem e a natureza, conforme poderão constatar pelos registos.

A volta foi sendo executada sem stress (o dia estava por minha conta), tirando aqui e além fotos para a posteridade (cerca de 110).

Enquanto deambulava pela montanha e “eclipsado” por tamanha beleza, vieram-me à mente por diversas vezes, episódios de outras voltas realizadas na companhia de outros Bravos, sobretudo do Bravo Sénior (sim, eu sei que sabes que estou a falar de ti 😊), por quem tenho o maior apreço e consideração, uma vez que nunca me deixou ficar mal e sempre disse “presente” a todos os meus convites, por mais difíceis, arrojados que fossem (bons tempos) tal é a sua paixão por esta actividade.

Esta volta superou de longe as minhas expectativas, pois tinha um pouco de tudo e recomenda-se.


Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respectivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #17.