Fui até Schwägalp, mas não apanhei boleia do teleférico

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Tendo sido acometido de um violento ataque de “comichão betetistica” durante estas semanas em que não pude rolar, resolvi abordar o meu quintal de eleição (Säntis) de uma forma diferente, ou seja, em vez de o atacar de frente que nem um touro, resolvi abordá-lo de uma forma mais suave, rolando em paralelo.

Em termos de esforço exigido, este foi mais suave, mas em termos de qualidade fotográfica, como adiante constatarão, a coisa não correu lá muito bem, uma vez que apanhei sempre de frente o sol e sobretudo muito nevoeiro nos locais por onde desejava passar.

Saí da minha estância pelas 09h30 e regressei à base por volta das 18h00, tendo rolado 75 kms. Como o tempo aparentemente prometia, saí somente equipado com um jersey de manga curta (BTT Rotas do Marão 2008) e uns calções. Errei na opção, porque neste momento a temperatura já anda abaixo dos 10º, e logo nos primeiros quilómetros senti uma dor gradual e lancinante, provocada pelo vento a tentar furar-me as orelhas (não deu para desenrascar com uns boxers, tal como na crónica 001 😊); pelo que terei de investir nuns protectores para os ouvidos.

À medida que ia subindo até aos meus destinos (Schwägalp 1’355 mts – Teleférico que dá acesso à Antena do Säntis a 2’502 mts e Kronberg 1’652 mts – Outro teleférico), constatei que o tempo estava a mudar, começando a cair nevoeiro e ficando cada vez mais frio.

Sendo assim e uma vez que um dos objectivos das minhas voltas solitárias é presenteá-los com registos fotográficos com alguma qualidade e nitidez, acabei por abortar a ida ao Kronberg, ficando esta protelada até que as condições atmosféricas assim o permitam. Espero poder lá ir ainda antes das primeiras quedas de neve, a ver vamos…

Estar junto ao Säntis, isto é, na base, é uma sensação indescritível, tal é a monumentalidade da montanha (bem sei que há montanhas mais altas, mas fica o registo). Senti-me como um “alpinista betetista” após conquistar mais um cume. É impressionante ver o teleférico no seu vai e vem (notar que viagem demora 10 minutos para passar dos 1’350 mts até aos 2’500 mts). Claro que quando estamos na base, cria-se uma ilusão óptica de que afinal o Säntis, não é assim tão alto.

Fiquei também surpreendido comigo, uma vez que já não rolava há cerca de um mês e no entanto, após estes 75 kms, cheguei a casa, fresco que nem uma alface… (o acumulado de subida desta volta foi de 2’040 mts, segundo o track desenhado no Google Earth).

Devo estar a ficar como o Vinho do Porto, porque pelos vistos, quanto mais velho (acabei de fazer 41 anos, no dia anterior à volta), aparentemente em melhor forma física, me encontro. Coisas da vida…, ou talvez seja devido a estar em paz comigo mesmo, desde que tomei a decisão de meter esta “licença sabática” à minha própria existência…


Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respectivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #36.