À la découverte des Terrasses de Lavaux

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Desde que me mudei para Lausanne, tenho efetuado várias viagens de comboio em redor do “Lac Léman”, pelo que sempre que me desloco para Vevey ou Montreux, sou obrigado a passar junto a estes vinhedos.

Os vinhedos de Lavaux são dos maiores da Suiça e são património mundial da Unesco desde 2007; estendem-se por cerca de 40 kms ao longo das encostas do lago, numa área de +/- 921 hectares. A origem remonta ao século XI, quando os monges resolveram começar a criar socalcos para se dedicarem à cultura da vinha (nada como um copinho logo de manhã, aquece o corpo e o espírito também, finórios estes monges…).

De comboio a vista do lago, das montanhas, dos socalcos, é simplesmente divinal, pelo que brotou e cresceu em mim o desejo de uma visita mais aprofundada.

O dia não podia estar melhor, à exceção da tal bruma (nevoeiro) que não permite tirar fotos com a precisão a que venho habituando os diferentes leitores destas crónicas. Fiquem descansados porque a partir de abril, será “vinho de outra pipa” (nem de propósito 😊).

Foram cerca de 60 kms de muito sobe, sobe [parti dos 375 mts (margens do Lac Léman) para chegar aos 1’080 mts (Mont Pélerin)], afinal estamos na Suíça.

Confesso que para uma primeira experiência após este jejum forçado, vi-me um pouco “grego” para chegar a casa, mas valeu a pena como preparação para as próximas aventuras.


Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respetivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #120.