Quem sobe ao Mont d’Or não encontrará ouro

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Dizem que o homem é um ser insatisfeito por natureza, digo isto porque a minha última aventura pelos lados do “Jura” soube-me a pouco.

Há muito que desejava conhecer a vila de “Vallorbe” (790 mts) e a montanha que por detrás dela fica.

Essa montanha chama-se “Mont D’Or” (1’463 mts) e desengane-se quem pensar que no seu cimo irá encontrar um monte cheiinho de moedinhas de cor amarela ou outro metal de valor. A única coisa a meu ver a mais importante que encontrará lá em cima são umas vistas fenomenais sobre o “Jura” para ambos os lados (francês e suíço). Do cimo do “Mont D’Or” conseguimos inclusive ver o “Mont Blanc” (4’758 mts) que em linha reta fica a 110 kms. Nesse dia ainda consegui ver parte da montanha embora o nevoeiro impedisse qualquer registo digno.

Antes de começar a ascensão propriamente dita resolvi conhecer um pouco de “Vallorbe” e das suas cercanias e acreditem que valeu mesmo a pena seguir aquele trilho junto ao rio “Orbe” até atingir a ponte aqui documentada para a posteridade.

Embora a diferença de altitude entre o início e o fim da subida ser de apenas 708 mts, o problema reside no facto de em muitas zonas do trilho termos inclinações superiores a 35%.

Chegado ao topo, aguardavam-me muitas amigas de 4 patas, as quais nem me passaram cartão, continuando entretidas a pastar, tal como se eu não existisse.

O local encontrava-se repleto de “randonneurs” que vinham admirar as vistas e tentavam alcançar com o olhar o “Mont Blanc”, mas azar, há dias assim.

Realizadas as fotos da praxe e que fotos, então aquela encosta, achei por bem continuar a minha viagem.

A descida embora fácil, tornou-se complicada devido ao trilho atravessar muitos terrenos fechados por cercas e portadas de arame farpado. Sem mentir, no final do dia, devo ter aberto e fechado mais de 50 portadas. Estas, para além de nos obrigarem a rolar com extremo cuidado, não fosse apanhar uma no final de uma curva, tornam-se ainda mais perigosas porque as vacas estão tão habituadas a que alguém as venha alimentar ou as liberte a determinadas horas que mal me viam a aproximar; vinham logo como quem não quer a coisa, cheirar-me e quando um “gajo” dá por ela, tem à sua frente mais de 50 vacas, todas com vontade de sair o que nos faz pensar duas vezes em sair dali o mais rapidamente possível.

Houve uma altura em que vi umas vacas pretas e ainda por cima com cornos maiores que o habitual. Comecei a mira-las ao longe para ver se tinham tetas ou outro órgão, afinal não me enganei, eram toiros efeminados, tinham-nos castrado e estavam ali só para encher monte (triste sina a deles, com tanta carne de vaca ali à mão e não poderem fazer nada) e digo eu que tenho uma vida difícil…

Enquanto deambulava por essa zona, penetrei por diversas vezes a França (a única coisa que neste momento me é permitido penetrar. Longe vão os dias em que penetrava em tudo o que era lugar 😊), pelo que quando dei por ela, já me encontrava perto do local onde se encontram as famosas “Grottes de Vallorbe”, que se prologam por quase 3 kms. Mais informações em www.grottesdevallorbe.ch. Como a visita só pode ser realizada a pé, não são permitidas biclas, não deu para tirar fotos, para além de que para aceder à sua entrada é necessário descer “à la patte” uma encosta bastante abrupta. No futuro justifica-se uma visita.

Descontente com essa situação, resolvi seguir viagem até alcançar o “Juraparc”. Neste parque, encontramos ursos, lobos, linces, bisontes e cavalos “Przewalski” (da Mongólia), mais informações em www.juraparc.ch. Mas aqui nova desilusão uma vez que o parque mais parece um “bunker” pois é impossível ver o quer que seja ao longe já que o mesmo encontra-se completamente vedado e para aceder, somente através de aquisição de bilhete.

Como a viagem estava a correr menos bem do que o previsto, optei por seguir caminho até ao “Lac de Joux” (9,5 kms de comprido por 32 mts de profundidade máxima) que se caracteriza por estar colado a um pequeno lago chamado “Lac Brenet”. Estes dois lagos vistos ao longe, mais parecem duas poças de água, separadas por uma ponte. A paisagem em redor deste lago é fantástica e para além disso esta zona possui ligação de comboio (linha única).

Após ter feito algumas fotos ao redor do lago sob alguma pressão uma vez que estava a decorrer uma prova de atletismo (corrida em redor do lago) e dado o avançar da hora, recolhi-me na estação de comboios onde aguardei pelo comboio que me reconduziria ao ponto onde tudo começou.

Acabei a volta com cerca de 37 kms e um desnível acumulado de 1'370 mts. Ao longo do dia esteve bastante calor, associando a isso o facto de “à plusieurs reprises” ter sido impedido de realizar o pretendido, acabei por ficar sem “pica” necessária para levar a bom porto a minha missão (sim porque havia mais, mas ficará para uma próxima oportunidade).

Gosto do “Jura” sobretudo pelas frondosas florestas, mas adoro em particular o “Valais”, isto porque aqui, conseguimos sempre “mantenir le cap”, temos pontos de referência, enquanto que no “Jura” andamos sempre com a sensação de estarmos perdidos, pois as árvores (algumas com mais de 30 mts) impedem que saibamos a todo o momento onde nos encontramos.

As minhas próximas crónicas serão na minha zona d’eleição, vou ver o que consigo descortinar. Até lá, desejo a todos os users (leitores e comentadores) umas boas férias.


Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respetivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #394.