Nunca digo que não à Bisse du Ro

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Sempre que planeio uma nova aventura, sinto-me como escreveu Miguel Torga “Eu gosto da paisagem. Mas amo-a duma maneira casta, comovida, sem poder macular a sua intimidade em descrições a vintém por palavra. Chego a uma terra e não resisto: tenho de me meter pelos campos fora, pelas serras, pelos montes, saber das culturas, beber o vinho e provar o pão. E quando anoitece volto, como agora, cheio do enigma que fez cada região do seu feitio, tal e qual como pôs nas costas do dromedário aquela incrível marreca, e no pescoço do leão aquela fantástica juba.”

Desta vez e porque há mais de 2 anos não punha lá os pés, resolvi presentear o meu companheiro Luís com uma ida à “Bisse du Ro”. A útima vez que por lá andei foi em agosto 2012.

Tal como no BTT, sempre que repetimos uma volta, acabamos por descobrir e sentir coisas novas.

Embora a meteorologia no início não ajudasse, acabou com o passar do tempo por melhorar. O Luís agradeceu, já que esqueceu uma máxima fundamental em alta montanha “expect the unexpected” e mesmo tendo a volta sido realizada no final de agosto 2014, devemos sempre vir munidos de mudas de roupa ou agasalhos. É sempre preferível termos de retirar roupa do que ter falta dela.

Mesmo estando esta volta perfeitamente catalogada, não resisti ao apelo da minha “máquina chapeira”, pois esta encontrava-se sob o efeito hipnótico da “Bisse” 😊.

Uma vez que efetuamos algumas experiências, malsucedidas, diga-se de passagem, acabamos por nos aproximar dos quase 20 kms. Mas o sal da vida é isso mesmo, quem não arrisca, não petisca e assim o meu companheiro já ficou com mais uma história para contar aos filhos e netos vindouros 😊.

Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respetivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #501.