Não precisei de 620 anos para percorrer o Aletsch

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

“Aquilo que para nós faz a felicidade ou a infelicidade da nossa vida constitui para qualquer outro um facto quase impercetível”, assim escreveu Marcel Proust e em verdade vos digo, sou de natureza a ser feliz com muito pouco, pois só assim se consegue aguentar as agruras com que por vezes a vida nos brinda.

“Ça c’est juste pour la petite histoire”…

Desta vez e porque há mais de 2 anos não punha lá os pés, resolvi presentear o meu companheiro Luís com uma ida ao maior glaciar das Terras Helvéticas o “Glacier d’Aletsch”. A última vez que por lá andei foi em setembro 2012.

Mesmo estando esta volta perfeitamente catalogada, não resisti à tentação. Peço desculpa 😊.

Uma vez mais o companheiro Luís provou estar à altura do desafio. Como diz o povo e bem “não há duas sem três” pelo que sei que qualquer dia irei regressar para estas bandas na companhia do companheiro Angel.


Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respetivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #522.