Em Romainmôtier o tempo deixou de contar

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

No livro “Os infinitos do Amor” de José Luís Nunes Martins, este diz o seguinte “Uma das melhores formas de avaliar as pessoas e as coisas é esperar que com o passar do tempo a sua importância se relativize e revele. Demasiado perto, tudo tende a parecer absoluto e definitivo. Para compreender cada momento da vida, é preciso que ele passe, e que se junte a outros até que chegue o momento certo de ver, com toda a clareza, o que se passou.”

Talvez seja por isso que somente agora relato o que realmente se passou naquele já longínquo domingo 15 de maio do ano passado, “I am just kidding”.

Naquele tempo o Paulo somente tinha rolado uma vez comigo e outra na companhia do Luís, pelo que achei interessante realizarmos uma volta com o amigo Angel.

Vai daí idealizei uma volta circular a arrancar e terminar na abadia de “Romainmôtier” a 694 mts.

Para quem não conhece trata-se do mais antigo mosteiro das Terras Helvéticas, construído em 450 d.c. e pertencente desde 928 à Ordem de Cluny, que como sabem também foi detentora do mosteiro de Santa Maria das Júnias (Pitões das Júnias) e que mais tarde o entregou à Ordem de Cister, “bref, c’est juste pour la petite histoire”😊.

Efetuamos cerca de 39,5 kms com +/- 1'012 mts de acumulado positivo em que a altitude mínima foi de 492 mts e a máxima de 1'267 mts.

Logo nos primeiros kms ainda tivemos tempo de visitar a “Cascade du Dard” com os seus quase 20 mts de altura. Chegar lá como poderão verificar pelas fotos não foi assim tão fácil, somente com a bicla às costas, mas BTT é isso mesmo 😊.

O lugar convida mesmo à meditação e se fecharmos os olhos e nos deixarmos envolver pela vegetação até parece que a qualquer momento o “Indiana Jones” vai surgir de “nulle part”.

Esta zona estava repleta de “singles” para todos os gostos com alguns saltos à mistura, aliás alguns elementos resolveram repetir esta zona duas vezes como que para mostrarem aos demais como se fazia 😊.

O verde ao longo de toda a volta foi uma constante e o tempo não podia estar melhor conforme poderão ver nas chapas.

Como diria Ricardo Reis “Cada cousa a seu tempo tem seu tempo” e foi exatamente o que aconteceu em “Romainmôtier”, isto é, na devida altura não pude visitar os interiores e arredores da abadia. Esta visita realizei-a na semana passada e acreditem que vale mesmo a pena. Confesso que sempre gostei de catedrais, mosteiros, igrejas, capelas, etc…, fico sempre maravilhado com a capacidade e engenho humano daqueles tempos.

Para além disso esses locais ajudam-me a compreender que aquele que tem fé nunca está só.


Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respetivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #721 e 722.