Levei 4 anos para digerir a barragem La Grande Dixence

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Deixei de contar o atraso que levo na “cronicagem” destas crónicas. Esta por exemplo foi realizada em setembro 😊.

Peço desculpa pelo atraso mas torna-se complicado para um escravo do trabalho como eu em vias de reconversão 😊, sim é verdade julgava-me um caso perdido, toda a vida vivi sete dias sobre sete para o trabalho, respirava trabalho, comia trabalho, dormia trabalho, e agora que me aproximo da casa dos 50, acho que está na altura de “lâcher prise”.

Afinal mesmo acreditando na reencarnação, acho que chegou a hora de aproveitar ainda mais o tempo que me foi dado com todos aqueles que são importantes a meus olhos e que sem eles, tudo o que tenho ou alcancei (seja lá isso o que for 😊) não faria sentido. Muito obrigado a todos por terem cada um à sua maneira contribuindo para formarem o meu carácter e personalidade.

No próximo ano irei comemorar 25 anos de vida em comum com uma mulher muito especial, uma mulher que faz com que todos os dias sejam uma verdadeira “aubaine”, diferentes, especiais e deliciosos.

Nem tudo foi ou será sempre “rosa”, atravessamos muitas tempestades, mas como diz o poeta “Valeu a pena? Tudo vale a pena. Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador. Tem que passar além da dor.”

Sei que não sou perfeito, apenas um comum mortal que soube “patienter” e procurar a “pérola rara” que caiu do colar de um qualquer Deus maior 😊.

Para que possam entender do que falo, deixo-vos este pequeno texto de Pedro Chagas Freitas, in 'Queres Casar Comigo Todos os Dias, Bárbara?'

A Mulher Inteligente

Sou doente pela mulher inteligente.

Sou fanático pela mulher inteligente. Sou viciado na inteligência da mulher inteligente. Preciso dela, exijo-a a toda a hora, persigo-a como um cão com fome persegue o osso. Sou obcecado pela mulher inteligente. A mulher inteligente é a criação suprema de Deus. A mulher inteligente é o próprio Deus. A mulher inteligente, suspeito, deve ser mesmo uma forma superior do próprio Deus. Até Deus tem inveja da mulher inteligente. Meu Deus.

A mulher inteligente despreza o que a mulher não-inteligente ama.

A mulher inteligente não quer saber da conta bancária, não quer saber da marca do carro, da maquilhagem na cara. A mulher inteligente faz do que é um estilo, do que defende uma lei, do que parece uma moda. A mulher inteligente faz do tesão um estado de alma. A mulher inteligente dá-me tesão. Mmmm.

Partilhar a vida com uma mulher inteligente é a única forma de partilha possível.

Só com ela consigo partilhar, só a ela consigo dizer tudo o que sinto, tudo o que sou. Só ela saberá como eu sei – e depois de pensar um pouco saberá muito melhor do que eu sei – aquilo que eu quero dizer com aquilo que eu estou a dizer. Sim: a mulher inteligente sabe mais do seu homem do que alguma vez o próprio homem saberá. E só um homem burro se sente inferiorizado com uma mulher inteligente. Viver com uma mulher inteligente é um milagre que só mentes pequenas não gozam à grande. Viver com uma mulher inteligente é um privilégio que muito poucos estão à altura de degustar. Não é qualquer um que está à altura de rastejar e de ser rastejado. Viver com uma mulher inteligente não é uma humilhação – é uma diversão, uma animação, um verdadeiro vulcão. E é só dentro de um vulcão que a temperatura aquece. Ai.

A mulher inteligente aquece – as outras nem aquecem nem arrefecem.”

E agora aposto que estão confusos, isto é, pela vossa mente perpassa a pergunta “à cinq balles” ou “la question qui tue”, “why my friend?”

A partir de agora vou tentar recuperar o meu atraso “escritorial”, não apenas somente através de fotos (seria too much easy). Lamento, mas no meu caso é mais forte do que eu, preciso de acompanhar as fotos com algum tipo de texto ou “ejaculação mental”, claro está, só lê quem quer ou estiver à beira de um precipício e precisar de um pequeno empurrão 😊.

Tratando-se de um espaço público, sinto ser meu dever (que fique claro, ninguém me pediu nada 😊) contribuir como sempre, para que quem visita pela primeira vez ou é já cliente, saia daqui com um sorriso de orelha a orelha.

Como devem calcular, escrever crónicas não é como fazer chouriças, isto é, não basta juntar e meter ideias de um dos lados e do outro lado saem textos completamente formatados 😊.

De hoje em diante acompanharei as fotos com pequenos textos que vou “piochando” aqui e além e que de alguma forma me transmitem algo. Partilhar é isso mesmo, é como cozinhar, é transmitir uma emoção.

Talvez esteja a sofrer da síndrome da crise dos 8 anos de presença assídua neste espaço, pelo que esta foi a forma encontrada para manter o meu interesse e continuar a partilhar convosco as minhas experiências betetisticas 😊.

Efetuei esta volta na companhia do amigo Angel e o meu objetivo principal era mostrar à barragem que mesmo após 4 anos ainda não a tinha esquecido 😊.

Trata-se da mais alta barragem de gravidade do mundo (285 mts), construída em betão, sendo que é quase tão alta como a Torre Eiffel (312 mts). Na sua base mede 193 mts de largura e no topo falamos de 15 mts de largura.

Arrancamos a volta no sopé da barragem a 2'155 mts. A ideia era dar a volta a barragem e regressar ao ponto de partida e daí arrancarmos para a segunda fase da volta. No final falamos de +/- 71 kms em que a altitude máxima seria de 2'454 mts e a mínima de 490 mts.

Na prática e devido a compromissos do amigo Angel, tivemos de abortar a segunda fase da volta, acabando mesmo assim por realizar cerca de 51 kms; mas fiquem descansados, como não poderia deixar de ser, arranjei maneira de lá voltar com outro companheiro para efetuar essa segunda fase.

A vida é feita como sabem de experiências pelo que desconheço se a fórmula encontrada para garantir a minha continuidade neste espaço permitir-me à recuperar o atraso verificado. A ver vamos …


Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respetivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #774 e 775.