Terei de regressar malgré moi a Crans-Montana

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Passou-se mais de um mês desde a minha última incursão em montanha, pelo que a fome era tanta que decidi que tinha de castigar o corpo, como já há muito não o fazia.

A escolha recaiu sobre “Crans-Montana” no Valais, uma vez que a última vez que lá tinha estado foi em agosto de 2015, quando o meu companheiro Angel foi abalroado lateralmente por um “robocop” todo artilhado 😊.

Depois de 1h45 de comboio, cheguei a “Sierre” a 532 mts e aí apanhei o “funiculaire” que passados 15 min me depositava em “Crans-Montana” a 1’473 mts, onde arrancaria o meu périplo.

A ideia era subir até aos quase 2’400 mts e efetuar uma volta circular de +/- 29 kms.

Como poderão constatar na décima quarta foto do post seguinte, tive de abortar a volta devido a 2 obstáculos que não aparecem quando um “gajo” desenha tracks.

Na altura confesso que fiquei arreliado isto porque esta situação fez com que tivesse de encurtar a volta em cerca de 14 kms.

Assim sendo, a volta saldou-se nuns míseros 19,5 kms (e eu que costumava dizer que não sujava a bicla por menos de 20 kms, até parece ironia 😊), com 925 mts de desnível acumulado positivo.

E para aqueles que julguem que esta volta foi uma “partie de plaisir”, fiquem sabendo que em apenas 10 kms efetuei 820 mts de desnível positivo, mas pior que isso foi em 4 kms ter efetuado 485 mts de desnível positivo, e a isso acrescentem ainda temperaturas de 30°C 😊...

Acreditem, não faço o relato de todos estes dados para provar o quer que seja a quem quer que seja (what’s the point?), mas simplesmente para mostrar a uns certos camaradas com quem vou rolar em finais do corrente para os lados da Serra da Estrela, que penso estar em forma para realizar os cerca de 56 kms que nos aguardam de uma volta que idealizei e realizei em companhia de um Ex-Bravo de seu nome Viegas há uns 12 anos atrás (te recuerdas amigo 😊).

@Amigo Ex-Bravo, sim, o original, o primeiro,

Se nos estiveres a ler, atenta ao que o Pereira disse quando viu algumas fotos desta volta postadas via WhatsApp: “Estás uma máquina!! Cara...!!! A Serra da Estrela vai ser manteiga!!! Estás como o Eduardo dos velhos tempos!!! Não precisas de treinar!!!”

Como vês a tua fama precede-te e acompanhar-te-á até à eternidade 😊.

Como já devem ter percebido, vou voltar e repetir esta volta nos mesmos moldes. Esses 14 kms ficaram-me atravessados 😊. Vou voltar a subir pelo mesmo sítio. Vou voltar a esturricar ao sol. Não vou usar o teleférico e prometo que só postarei fotos a partir do local do primeiro obstáculo (ver sétima foto deste post a contar do fim).

Como disse Madame de Stael “O remorso é a única dor da alma, que nem a reflexão nem o tempo atenuam”.

Confesso que quando cheguei a casa e me pus a olhar as fotos onde abortei a volta, tentei encontrar alternativas, mas nada fazia sentido. Digerir esta situação foi complicado, mas a alta montanha ensinou-me ao longo destes anos que quando “un mec, ne le sens pas, ça veut dire qu’il ne faut pas y aller, point final 😊”.

Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respetivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #877 e 878.