De Chandolin vi-me grego para atingir o cimo do Col des Ombrintzes

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Chegada a altura de verão, aqui o “Je” fica com um apetite insaciável de galgar montanhas e vai dai, põe-se a desenhar tracks malucos 😊.

Desta vez, resolvi arrancar em “Chandolin” a 2’000 mts, para efetuar uma volta com cerca de 54 kms.

Apanhei o comboio das 07h00 da manhã e mais tarde um autocarro, sendo que pelas 09h30 estava a dar início à volta em companhia de mais duas pessoas.

No autocarro conheci um pai e seu filho holandeses que estavam de férias durante uma semana por estas bandas. Iam para a minha zona, mas queriam fazer “render o peixe”, pelo que lhes propus que se juntassem a mim. Ele há coincidências, não é que o pai tinha a mesma idade que eu e fazia anos no mesmo mês só que ele era virgem e eu balança 😊.

Ambos estavam em excelente forma pois logo nos primeiros kms desapareceram de vista e ainda bem que assim foi, pois penso que me teriam amaldiçoado se tivessem vindo comigo, para além de que não gosto de colocar em risco a vida de ninguém.

Dados da volta

- Altitude máxima – 2’760 mts

- Altitude mínima – 538 mts

- Total de kms – 44,75 kms

- Acumulado de descida – 2’447 mts

- Acumulado de subida – 1’110 mts

De salientar que em 1,5 kms tive 240 mts de desnível, é quase como se a cada 100 mts percorridos subisse 16 mts. Foi por isso que demorei nessa zona e com a ajuda da neve, quase 1h00 para percorrer 700 mts. As fotos falam por si.

Realmente quando cheguei a “Le Tsapé” a 2’470 mts e me propunha subir aos 2’760 mts (foto 7), acabei por falar com os 2 caminheiros que se veem numa das fotos. Estes informaram-me que era muito complicado ainda por cima com uma bicla pois o terreno era sobretudo constituído por grandes calhaus e o risco de queda era enorme. Disseram-me ainda para não demorar muito na zona pois devido às grandes amplitudes térmicas a rocha tinha tendência a desagregar-se e era normal formarem-se pequenas “avalanches” de calhaus. Para me motivar ainda mais disseram-me que haveria uma zona onde a cada passo dado em frente iria dar dois para trás (daí se depreende que a inclinação deveria ser mesmo enorme). Poderiam ter-me avisado que nesta altura do ano ainda encontraria tanta neve 😊.

Quem me conhece, sabe que todas estas recomendações e avisos são música para os meus ouvidos, mas quando cheguei à dita zona, aí a música foi outra. Desde que por aqui ando e já lá vão quase 9 anos, foi a primeira vez que me senti tão desamparado, em que cada passo dado era um verdadeiro suplicio.

Deixo-vos imaginar o prato que poderia ter dado com os seguintes ingredientes (terreno com grandes calhaus, pontiagudos e cortantes + neve (quase gelo) + escarpa com inclinação de 45° + bicla ao ombro + sapatos de BTT com clits + nada a que se agarrar em caso de queda ou deslizamento), enfim, nunca disse tão mal da minha vida.

É nestas alturas que um tipo se agarra ao que pode e com a ajuda de Deus e os Santos protetores, lá consegui ao fim de quase uma hora perfazer esses 700 mts .

Confesso que tive sorte, pois se tivesse acontecido algo, não estaria com certeza aqui para vos contar.

Claro que todo este sofrimento da subida para atingir o “Col des Ombrintzes” foi largamente compensado pelas descidas e paisagens que se seguiram (ver fotos).

É, pois, como disse Tennessee Williams “Não olhes para a frente para o dia em que vais parar de sofrer, porque quando esse dia vier saberás que morreste.”

Acabei por não realizar a volta agendada na sua totalidade, mas penso ainda antes do Verão acabar, voltar a esta zona, pois a volta agendada na segunda parte passaria pelo “Lac de Illse”. O seu a seu tempo 😊.


Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respetivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #882 e 883.