Regressei a Crans-Montana para terminar o iniciado

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Começo esta crónica com um pequeno texto do poeta Cesare Pascarella em La Scoperta de l'America.

“Porque quando alguém, meu caro, vangloria-se

de ser um homem honrado, depois de dar

a sua palavra, esta deve ser sagrada.

E mesmo que a estrada seja longa, feia ou bela,

custe o que custar, nem que ele tenha de ser morto,

mas a sua palavra deve ser mantida.”

Vem isto a propósito de que em finais de Junho do corrente tinha-vos prometido que regressaria a “Crans-Montana” repetir esta volta.

Na altura não pude completar a volta por causa da neve ainda existente numa parte do trajeto e que fez com que tivesse de abortar.

Falamos em apenas 4 meses de diferença entre as duas voltas. Comparem as diferenças de tonalidades nas paisagens 😊.

Como o prometido é devido, eis os dados da volta:

- Altitude máxima – 2’295 mts

- Altitude mínima – 486 mts – “Sierre”

- N°total de kms – 34,40

- Acumulado de descida – 2’011 mts

- Acumulado de subida – 1’100 mts

Como da última vez, arranquei em “Crans-Montana” a 1’408 mts e subi até “Cry D’Er” a 2’220 mts, sem recorrer aos teleféricos 😊. Ao invés de Junho, desta vez pedalei com temperaturas na ordem dos 8°C em vez dos 30°C, o que fez com que tivesse quase uma hora de adianto nas mesmas passagens.

Como sabem, os dias agora são muito mais curtos, pelo que quando cheguei a casa após duas horas de comboio, já era noite.

Uma vez que abusei nas fotos, queimei demasiado tempo, não pude completar a volta na sua totalidade 😊, falta-me um troço, pelo que terei de regressar no próximo ano.

Diz o povo e bem na sua infinita sabedoria que “não há duas sem três” 😊.


Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respetivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #904 e 905.