Passados oito anos, consegui saber o que se encontrava do outro lado da Cabane de la Tourche

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Mais uma terça feira, mais uma volta 😊. Desta vez resolvi “castigar o corpo” e repetir uma volta realizada em solitário, em novembro 2012 com a minha antiga Mérida. Para os que se questionam, mas nâo perguntam 😊, por onde andará esta minha amiga, pois fiquem sabendo que é uma presença constante no meu “harém bicliano”.

Ao longo destes 8 anos, repeti a aventura por duas vezes e acompanhado, mas infelizmente nunca atingi o objetivo.

Na primeira incursão fui com mais um companheiro e pelos 1’600 mts, abortamos, não muito longe da “Buvette des Martinaux”. Estávamos apenas a 100 mts, “but we did not know” 😊.

Aqui ficou provado mais uma vez que a copofonia na noite anterior não se coaduna com o BTT no dia seguinte.

Na segunda vez fui acompanhado de 2 companheiros e pelos 1’910 mts, abortamos, não muito longe do local indicado na foto 12.

Com temperaturas acima dos 30°C, um dos companheiros lembrou-se nesse dia de “tirar os três” à sua nova amante. Digamos que essa cabra não tinha sido feita para “climbar”, mas mais para a descida. Via-se que o homem tinha uma vontade de ferro, mas estava há demasiado tempo em sofrimento, pelo que nesse local ficou completamente branco e por pouco não tínhamos de lhe fazer respiração boca-a-boca.

Por vezes, o corpo mostra-nos que ter uma mente forte não chega 😊.

A volta inicia em “Saint-Maurice” a 425 mts e daí subimos até aos 2’195 mts para atingirmos a “Cabane de la Tourche” e finalmente descemos até “Collonges” a 450 mts.

Esta volta caracteriza-se por no início da subida que nos conduz de Lavey-les-Bains a Morcles, termos curvas numeradas de 29 a 1 (ver foto 6), em que passamos dos 475 mts aos 1’150 mts, ou seja 675 mts (+) em cerca de 4,8 kms 😊.

Deixo-vos imaginar a força mental necessária para ir pedalando 😊. Claro está que isto é apenas um “amuse-bouche” para o que vem a seguir.

As Terras Helvéticas são fantásticas no que toca ao clima, neste caso, durante os sete dias da semana chuvosos, esta terça feira, como por milagre, era o único dia de sol 😊. As fotos falam por si.

Dados da volta

- Altitude máxima – 2’195 mts

- Altitude mínima – 410 mts

- Acumulado de subida – 1’767 mts em apenas 16 kms 😊 😊

- N°total de Kms – 41,5 kms

Mais uma vez o GPS me abandonou, tal como da outra vez, somente aguentou 08h00 de enfiada. Fiquem descansados, acabei de receber hoje o novo (a estudar nos próximos dias).

Tenho plena consciência que esta volta durou 1h30 a mais, isto porque durante o percurso parei 3 vezes (+/- 30 min. cada) para conversar com pessoas que ia encontrando aqui e além. É a minha sina 😊, mas esta malta da montanha é gente boa e adora conversar, partilhar emoções, etc…

É por isso que sempre que possível, gosto de andar só, sai-se sempre mais rico.

Por ser demasiada “biolenta”, penso que esta foi a última vez que realizei esta volta. Basta ver, que ao longo da mesma, apenas encontrei 6 betetistas que se deslocavam todos em BAE (bicicleta com assistência elétrica), a não confundir em inglês “palavra utilizada na gíria inglesa para se referir a boyfriend e girlfriend. Bae é um termo relativamente novo e odiado por muitos, cujo significado é namorado, namorada ou qualquer pessoa pela qual você tenha um certo interesse amoroso.

Termino esta crónica, parafraseando o poeta irlandês Seamus Heaney “Qualquer pessoa com bom senso e uma mente perspicaz irá tomar a medida de duas coisas: o que é dito e o que é feito”.


Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respetivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #970 e 971.