Minas da Borralha ou o Reviver o passado em Brideshead

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Quando um Bravo “não satisfaz as suas necessidades mais elementares” (pensem o que quiserem 😊), tende, tal como cantava o Variações, a querer estar onde não está, a querer ir aonde não vai…

Vai daí, e uma vez que neste momento ainda sou dono do meu tempo e realmente tempo é o que mais tenho, toca a procurar uma “lowcost” que me conduzisse aonde a minha alma clamava por estar.

Liguei aos restantes companheiros e amigos, mas apenas dois, responderam à chamada, um a que calorosamente chamo de “suspeito do costume” e o outro que por norma, nunca se deixa fotografar (a foto está para ele como a água benta para o diabo 😊). Também não era para menos: afinal rolámos uma quinta-feira e lá porque eu tenho tempo, não significa necessariamente que os outros também o tenham.

Quanto mais longe de Portugal e dos “meus”, mais tendência a ficar nostálgico de pessoas, lugares, atividades, etc…

Em minha opinião, um homem com tempo em demasia passa a ser um homem com falta de tempo, pois são muitos os desafios que lhe perpassam a mente.

Perante estes dois factos, e tendo em diversas ocasiões adiado uma ida às Minas da Borralha de “bicla” para reviver as diversas vezes em que lá passei em companhia do meu pater, acabei por optar efetuar esta volta, no intuito de me reconciliar com o meu passado. Um “gajo” quando envelhece tem destas coisas…

A seguir ao Gerês, as serras em redor de Vieira do Minho são as minhas preferidas…

Arrancámos a volta a partir de Vieira do Minho (380 mts), tendo seguido em direção ao Talefe (1’262 mts) e daí para as Minas da Borralha.

Iniciámos a volta cerca das 09h00 e terminámos por volta das 16h00, tendo percorrido cerca de 60 kms (nas calmas, sem stress).

Há voltas que, pela paisagem, pelas condições climatéricas, pelo relevo e sobretudo pela companhia, se destacam das demais, e esta não foge à regra. Simplesmente fantástica…

Aos meus amigos “suspeito do costume” e “freak das fotos”, quero aqui deixar publicamente o meu muito obrigado, pela devoção à causa e acreditem que eu até poderia por aqui andar sozinho, mas como alguém já disse, não era a mesma coisa 😊.


Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso com…

Podem visualizar esta crónica com os respetivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #146.