Aldeia do Pontido ou a memória de um passado que já não existe

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Aquando da minha última estadia em Portugal há cerca de 4 meses, os meus companheiros, resolveram presentear-me com uma ida à Barragem da Queimadela (Fafe), passando pela Aldeia do Pontido.

Confesso que nos meus tempos de juventude, passei bons e loucos momentos nas bermas desses locais, aliás, os montes e cercanias ao redor de Fafe foram durante muitos anos locais propícios a todo o tipo de loucuras; se bem que estivéssemos na época dos ataques do famosíssimo homem da lanterna vermelha.

Stendhal disse que “A verdadeira pátria é aquela onde encontramos o maior número de pessoas que se parecem connosco.”; isto para vos dizer que embora deslocalizado para mais de 4 anos, é sempre com imenso prazer que regresso a Portugal.

Só quem já “sentou o cu” por um longo período fora da sua zona de conforto, sabe do que falo. O povo diz e bem que “quem está de fora, racha canhotas”, mas a meu ver de nada serve, pelo que concordo com um grande amigo meu quando afirma “Não se consegue dar de beber a um burro que não tem sede!”.

Uma vez que o final da volta iria ser brindado com um bom bacalhau assado na brasa acompanhado de batata a murro e o todo regado com um bom “binho” tinto da casa, concordamos em arrancarmos a volta em Castelões, pertíssimo da famosa casa de pasto “O Luís”. Que fique bem claro que ninguém me pagou para fazer publicidade 😊.

Daí corremos as seguintes aldeias: Espinha, Agrela, Soutelo, Casal Estime, Argande, Queimadela, Assento, Aldeia do Pontido e por fim a barragem da Queimadela.

Tratando-se de uma volta circular, continuamos por Leiras, Requeixo, Laje, Compostela, Castanheira, Sabugosa, Bouça, Santo António, Senhora do Monte e por fim Castelões.

Confesso que já tinha saudades de uma volta assim pois aqui nas Terras Helvéticas, ou se sobe muito, ou se desce muito, não existe meio-termo, talvez por culpa aqui das escolhas do “Je”.

Enquanto em Portugal conseguia andar todos os fins-de-semana, confesso que este ano e durante o primeiro semestre andei apenas 3 vezes de bicla. Este ano tem sido um pouco atípico, mas como sempre dizia a minha avó “Não há mal que dure eternamente!”

Acreditem, não será a baixa de forma que me irá impedir durante este mês de julho de repetir com a restante trupe um circuito NGPS lá para os lados de Paredes de Coura com +/- 50 kms e +/- 1’500 mts de acumulado (+). Obrigado amigos, como sempre, vocês mimam-me J…

Aqui entre nós, que ninguém nos ouve ou lê, acho que vou morrer (mas não digam nada a ninguém), já que no dia em questão, vão estar para cima de 35º C e acho que o meu cagueiro (também conhecido por cú, peida) não se vai aguentar isto porque ainda recentemente numa volta de características similares, andei para esticar o pernil 😊. Pois é, as fotos nem sempre deixam transparecer toda a verdade, mas como dizia Francis Bacon “Não há comparação entre o que se perde por fracassar e o que se perde por não tentar”.

Esta volta saldou-se em +/- 37 kms e cerca de 1’250 mts (+), sendo a altitude mínima 167 mts e a máxima 655 mts.

Acredito que efetuar esta volta no Verão deva ser um espetáculo.


Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respetivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #538.