Quem diria que no Gerês encontraria marmotas e gatos selvagens

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Mais um regresso à terra, mais uma volta agendada e efetuada na companhia do amigo Pereira e um novo parceiro de seu nome Adilson. Um tipo muito simpático e afável, com uns gémeos que não enganam sobre as suas outras atividades, aquilo é que são umas batatas 😊...

Há mais de 6 anos que não repetia esta volta, pelo que a escolha recaiu sobre o Gerês, isto é, fomos realizar a chamada volta da “Pedra Bela”.

Para quem desconhece e quiser experimentar, trata-se de uma volta em que nos primeiros 10 kms temos quase 900 mts de desnível positivo 😊.

Dados da volta:

- Altitude mínima: 157 mts – Pontes do Rio Caldo

- Altitude máxima: 966 mts – Miradouro da Pedra Bela

- Acumulado de subida: +/- 1’500 mts

- Total de Kms: +/- 36 kms

O dia não podia estar melhor com temperaturas > 23°C, aliás esta semana deixou no ar um cheirinho do que vai ser o Verão.

A primeira vez que efetuei esta volta foi em 03.2010 e na altura aconteceu um episódio caricato, um dos membros fundadores dos Bravos do Pelotão, agora também desaparecido em combate, “Viegas” de seu nome, tinha perdido os parafusos num dos “cleats” do sapato e foi todo um “bico d’obra” para aliviar e retirar o outro.

Digamos que a palavra manutenção não fazia parte do vocabulário deste meu amigo 😊.

A piada desta situação é que passado todo este tempo, quer eu, quer o amigo Pereira ainda nos alembramos deste episódio, sinal que a nossa memória é mesmo seletiva pois recorda episódios de há quase 10 anos, mas é incapaz de lembrar o que comi há 15 dias atrás 😊.

Confesso que devo estar a ficar mesmo velho, pois os regressos às Terras Helvéticas são cada vez mais dolorosos, não sei se é dos quase 9 anos que levo de deslocalização, ou se é destes bons momentos passados na companhia de bons amigos que me enchem os olhos e o coração cada vez que cá venho.

Desenganem-se amigos, sinto que mesmo assim ainda não estou preparado para regressar e viver em Portugal, pois constato que muita coisa em Portugal teima em manter-se inalterada; continuamos a conduzir como loucos, stressados e com excesso de velocidade, continuamos a viver para a imagem, continuamos a não ter consciência ecológica, continuamos a viver em cima de telhados de vidro, continuamos a gastar mais do que devíamos, continuamos a consumir à brava, continuamos a ter programas televisivos que nos embrutecem a mente, continuamos a achar que temos sempre razão e muitas mais haveria para dizer 😊.

Chamo a atenção que isto são meras constatações sobre a generalidade e eventualmente quem me está a ler, não se revê nestas afirmações, mas digamos que numa vida passada, eu também fui assim 😊, mas agora após todos estes anos, tornei-me muito mais sereno, mais calmo, talvez fruto da idade ou da aculturação a que fui submetido, não sei, o que eu sei é que Portugal ainda tem um longo caminho a percorrer.

Oxalá me engane, mas penso que uma segunda bolha imobiliária vai rebentar dentro em breve. Como diz o adágio português “À primeira qualquer um cai, à segunda só cai quem quer e à terceira só quem é tolo”, e não me digam que em Portugal se respira saúde, pois só mesmo os ingénuos podem acreditar que o turismo possa ser o motor e criar a dinâmica que a economia necessita. Sempre considerei o turismo como uma atividade predatória ou “parasiteira”, pois não produz nada (na verdadeira aceção da palavra) mas sim, apenas se alimenta do que houver, tal como os vírus e quando não houver mais nada, muda-se de ares.

Neste momento atingimos o clímax desta crónica e acredito que quem conseguiu chegar até aqui sem se perder, deve estar a questionar-se:

Onde está a me.da da marmota e do gato 😊?

“Est-ce que l'une des photos vous dit quelque chose ? Si affirmatif, je vous prie svp de faire les contours et de la poster ensuite afin que tout le monde puisse se marrer un peu".

Para finalizar e como sempre, deixo aqui o meu agradecimento público ao amigo Pereira, pois conseguiu mais uma vez pôr-me à prova e fazer-me descobrir novas posições no selim 😊.

Amigo, para um gajo como eu que somente andou 10-12 vezes por ano nos últimos dois anos e que apenas efetuou +/- 1’019 kms 😊, acho que mesmo assim não vos deixei ficar mal. Venha a próxima!

Cumprimentos betetistas e até à próxima crónica…

Alexandre Pereira

Um Bravo do Pelotão, neste caso sem…

Podem visualizar esta crónica com os respetivos comentários às fotos no FORUM BTT. Ler o post (resposta) #854 e 855.